Como gerar a GPS do INSS

Veja as regras estabelecidas pela Previdência Social e saiba como gerar a GPS INSS

Todo mundo que se informa sobre benefícios da previdência social ouve falar sobre os carnês de contribuição, que também podem ser contados no momento de contabilizar a carência.

Porém, muita gente não sabe que esse carnê de contribuição tem um nome técnico, que é Guia da Previdência Social – ou GPS.

Saiba, a partir de agora, como gerar a GPS do INSS, quais são os seus valores e para quais benefícios ela é contabilizada.


O que é a GPS do INSS?

Como gerar a GPS do INSS

Gerar a GPS do INSS significa que o contribuinte gerará exatamente uma guia de pagamento, ou seja, um boleto ou fatura.

Este possui um código que vai identificar esse contribuinte, mostrando se ele é um trabalhador autônomo, se está desempregado, se está pagando de modo facultativo, etc.

Essa Guia da Previdência Social serve para aumentar o tempo de contribuição com o INSS, sendo equivalente ao registro em carteira de trabalho.

Por exemplo: uma pessoa que pagou a GPS por um tempo e que ficou registrada em carteira de trabalho vai somar ambos os períodos para pedir o seu benefício.

Se o indivíduo precisa de 15 anos de contribuição para se aposentar por idade, por exemplo, ele pode ter 5 anos de registro profissional e completar os outros 10 anos com o pagamento da Guia da Previdência Social.

Vale dizer que a pessoa não precisa pagar uma parcela por mês: ele pode pagar mais parcelas ao mesmo tempo para conseguir pedir logo o benefício desejado.


Passo a passo para gerar a GPS do INSS

A GPS do INSS pode ser gerada em um dos postos de atendimento da Receita Federal por meio de um agendamento. Funciona assim:

  • Acesse a página da Receita Federal aqui;
  • Selecione “Agendar atendimento”;
  • Aceite os termos clicando no quadradinho no final da página;
  • Selecione “Avançar”;
  • Coloque os números de documentos solicitados;
  • Se for uma pessoa física agendando, o número do CPF também será repetido no campo “CNPJ”;
  • Clique em “Avançar”;
  • Escolha o posto da Receita Federal e clica-se em “Agendar”

A página da Receita Federal fornecerá uma senha de atendimento que o contribuinte terá de apresentar quando for atendido.

Se precisar reimprimi-la, basta usar todo o passo a passo e, quando surgir a opção “reimprimir senha de atendimento”, clicar nela.

Os contribuintes podem gerar a Guia da Previdência Social pela internet também, mas há três formulários, de acordo com o perfil de cada cidadão.

É só clicar aqui e depois clicar em um dos módulos para gerar o carnê de contribuição do INSS.

Muitas papelarias comuns vendem o carnê da previdência social, mas é recomendado ligar para o 135 antes de compra-lo e perguntar se é necessário apresentá-lo ao posto de atendimento, ou se é só começar a pagar.


Códigos da previdência social para a GPS

Quando escolhe gerar a GPS do INSS, o contribuinte deve selecionar o código que representa a sua situação.

Acessando aqui, é possível consultar a lista de códigos da contribuição previdenciária, e é necessário identificar se é um recolhimento trimestral ou mensal.

Os contribuintes só devem consultar os códigos da GPS do INSS usando o link fornecido aqui e, na eventualidade de dúvidas sobre qual código escolher, é indispensável pedir instrução ao INSS pelo número 135 ou presencialmente.


Como funciona o cálculo da GPS do INSS

Os contribuintes podem usar débito automático no pagamento da guia da previdência, e é só eles falarem com o seu gerente, indicar o valor recolhido por mês e pedir que se faça a ativação.

Quem usa o carnê faz o cálculo no momento em que gera a Guia da Previdência Social.

Os valores cobrados pelo INSS no carnê de contribuição podem sofrer mudanças – todos os valores e alíquotas estão disponíveis aqui.

A pessoa que não sabe qual é a sua categoria de contribuição não deve gerar a GPS do INSS sem falar com um advogado previdenciário ou comparecer ao posto de atendimento.

Há inúmeros casos de pessoas que descobrem que contribuíram com o código errado somente quando estão em vias de dar entrada no seu benefício.

O valor que foi pago à previdência não é perdido, mas o INSS precisa fazer a correção de alíquota e, com isso, é possível que ainda faltem meses ou anos para serem pagos.

Por exemplo: se alguém ficou contribuindo com a alíquota de 8% e descobriu que tinha de usar a de 11%, é claro que faltarão pagamentos na hora de dar entrada em uma aposentadoria ou outros benefícios.


É permitido pagar a GPS do INSS com atraso?

É permitido pagar a GPS do INSS com atraso?

A guia da previdência deve ser paga na primeira quinzena do mês e, se atrasar, o contribuinte tem bastante trabalho para corrigir o valor.

Ele nunca deverá pagar a GPS do INSS atrasada: na verdade, precisa-se levar a guia à previdência para a correção do valor.


Deixe uma resposta